Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

O dia a dia é corrido e estressante. Nunca saberemos quando será o dia que receberemos notícias ou ficaremos a par de fatos, digamos assim, indigestos. Às vezes estamos em fase de mudanças, o fechamento de um ciclo, de um projeto, de um trabalho, enfim… e justamente nessa época é que as coisas tendem a desandar e acabamos perdendo energia ou nos abatendo.

Eu saí de sintonia há alguns dias (acho que uma semana e poucos dias), fiquei completamente “fora da área de cobertura”. Às vezes queremos nos animar e  melhorar, mas simplesmente não conseguimos sair da “bad vibe”. Eu queria  correr, fazer yoga, meditar… enfim, fazer as coisas que eu sei que me fazem sentir  melhor e que me dariam a paz de espírito que eu estava querendo. No entanto,  nem isso eu consegui fazer. A cabeça estava cheia demais até para pensar no que  comer. Então, comecei a ficar mais quieta e reflexiva, tomei a fase como uma  onda.  Encolhi-me debaixo dela, certa de que o ideal era espera-la passar.

Observei meus pensamentos e comportamento, bem como os de amigos,  familiares e até estranhos. Foram dias difíceis que tenho certeza que me marcaram  aqui dentro. Eu tenho a tendência de esconder muito do que sinto, principalmente  para manter a paz com todos e para não me expor demais. O engraçado é que, de  janeiro para cá, eu passei a expor mais os meus sentimentos e pensamentos, com  isso adotando uma postura mais aberta e mais sincera comigo mesma. Isso me fez  muito bem e não me arrependo, pelo contrário, ser honesto(a) consigo mesmo(a) é  a melhor coisa que podemos fazer. O problema foi que nessa fase mais reflexiva eu pude ver quanta mágoa e outros sentimentos ruins eu ainda tinha. Coisas que eu nem imaginava, coisas que não estão ao meu alcance para mudar ou controlar, coisas que já passaram, coisas ainda presentes… Fiquei chocada de ver que eu tinha tanta raiva acumulada aqui dentro.

 Os dias foram passando e nada de eu conseguir fazer yoga ou qualquer outra coisa.  O que aconteceu foi que eu tive que aceitar esses sentimentos que me martelavam  a mente com pensamentos extremamente desagradáveis. Se minha mente cismou  em voltar em alguns assuntos que eu julgava encerrados, com certeza devia ter  um porque de ser. Foi então que eu percebi o óbvio: a vida nem sempre será um  mar de flores, problemas são criados e muitas vezes dores e mágoas surgem.  Somos humanos e, como tais, somos passíveis de erros. Eu tinha que aceitar que  eu estava (e ainda estou) muito machucada aqui dentro e que eu não posso mudar  o passado e que é compreensível que eu tenha gerado aqueles sentimentos.  Acredito que é preciso saber se perdoar também, e se permitir ficar de luto,  deixar um tempo passar e não se apressar para voltar 100%. Com o tempo se  chega lá…

 Foquei um pouco em mim, em me cuidar com carinho. Pensei nas mil mudanças  que estão  ocorrendo e tracei alguns caminhos plausíveis. Do meu lado  profissional, pessoal e  familiar, nada poderá ser resolvido agora, mas já tenho algumas idéias e metas. Se os  pensamentos voltam, eu os aceito, reflito e os deixo passar. Parece estar dando certo,  porque desde ontem me sinto outra pessoa. Apenas uma decisão foi tomada. Em verdade  foi tomada há uns dois meses atrás. Decidi preservar mais o meu coração. Penso que quando o amor nos faz mais mal que bem, é porque não é para ser. Essa decisão foi a atitude mais honesta e sincera que eu poderia ter comigo mesma, afinal, existe algo chamado amor próprio.

Querer mudar e evoluir é como praticar yoga e cultivar novos hábitos: trata-se de uma maratona e não uma corrida. Claro que teremos dias ruins, e podemos sim cair às vezes, mas o que importa é não desistir. Não chove para sempre, certo? A postura diante de uma situação difícil também é algo a ser avaliado. Eu, pessoalmente, fico feliz e orgulhosa de mim mesma ao dizer que eu não fujo ou desisto.

「ここで終わらせるよ 昨日の自分を」

Acho que o que eu queria passar com esse post é que não devemos nos  culpar/punir/etc se fraquejarmos em determinada meta ou assunto, ou se  nos descobrimos cheios de esqueletos no armário… É possível aprendermos muito com esse tipo de experiência.

Saiu de sintonia? Espere essa onda passar, mas sempre tentando buscar seu  equilíbrio interno e avaliando quando será a hora de dar a volta por cima.  Mas nada de derrotismo, combinado?

Estou em fase de mudanças e treinando novos e mais saudáveis hábitos.  Baby steps, certo?

Eu desejo a todos ótimas vibrações,

Namaste

Anúncios